Login

Mercado imobiliário alemão: Sem desconto durante Corona – os preços dos imóveis continuam a subir apesar da crise, conforme publicado no diário de negócios Handelsblatt

Mercado imobiliário alemão: Sem desconto durante Corona – os preços dos imóveis continuam a subir apesar da crise, conforme publicado no diário de negócios Handelsblatt

Alguns economistas esperavam que a crise do Corona abrandasse os preços das casas. Mas os números recentes mostram aumentos significativos no mercado imobiliário alemão. 

A crise do Corona não deu aos compradores de imóveis a oportunidade de comprar os imóveis a preços mais baratos. No segundo trimestre, os preços dos apartamentos e casas na Alemanha continuaram a subir. De acordo com uma estimativa inicial do Instituto Federal de Estatística, os compradores de imóveis tiveram de colocar em cima da mesa mais 5,6% nos últimos meses do que no mesmo trimestre do ano anterior. Comparativamente ao primeiro trimestre, os apartamentos e casas foram 1,4% mais caros. 

Estes números são apenas uma estimativa rápida, que está repleta de alguma incerteza, alertaram os estatísticos de Wiesbaden. Mas os números não são uma grande surpresa: afinal, os imóveis continuaram sempre a subir. No início do ano, por exemplo, os especialistas do Gabinete Federal de Estatística reportaram um aumento dos preços do imobiliário de 6,8% no primeiro trimestre do ano e de 0,3% no último trimestre de 2019. 

Sem desconto durante Corona 

Aqueles que esperavam um jogo no parque durante o Corona ficaram desapontados. "Teria sido concebível que os proprietários de imóveis tivessem de vender porque estavam em dificuldades financeiras – mas isso não tem acontecido até agora", diz o especialista imobiliário Reiner Braun, do instituto de análise Empirica. "Com medidas generosamente concedidas, como subsídios de trabalho de curta duração e subsídio de habitação, o Governo Federal evitou grandes perdas de rendas e despedimentos em massa. Não houve vendas de emergência que pudessem ter deprimido os preços." A grande questão agora é se isto vai mudar se houver uma segunda vaga da epidemia. 

No entanto, a longo prazo, de acordo com especialistas como Braun, os preços das casas continuarão a subir mesmo depois de um possível abalo. "Nós simplesmente temos poucos apartamentos e muito pouco terreno de construção. Isto sugere que os preços continuam a subir – especialmente porque as taxas de juro continuam tão baixas." 

Migrar para a periferia atraente - o tal chamado “Speckgürtel” na Alemanha 

Em busca de uma propriedade acessível, cada vez mais alemães estão a migrar das grandes cidades para as áreas circundantes. Porque nessa zona pode realmente encontrar-se propriedades mais baratas: Aqueles que estão dispostos a sair da cidade em contrapartida de uma hora de distânciaeconomizam até 52 por cento ao comprar uma casa, de acordo com um estudo recentemente publicado pelo portal imobiliário Immowelt. 

Quanto mais se procura por um imóvel no centro, menor é a vantagem de preço, depois da procura – e dos preços – que tem subido acentuadamente nos últimos anos. 

No entanto, é de notar que muitas das propriedades existentes na área envolvente às cidades requerem renovações, que têm de ser adicionadas ao preço de compra. Além disso, de acordo com Immowelt, as casas estão muitas vezes localizadas adjacentes à estrada e, portanto, não correspondem necessariamente ao desejo real de uma vida rural idílica, especialmente nas aldeias mais pequenas. No entanto, existem numerosas propriedades que foram recentemente construídas ou renovadas e são, no entanto, significativamente mais baratas do que dentro dos limites da cidade. 

Coronavírus suscetível de tornar as propriedades nos subúrbios mais caras 

Para o estudo, o portal Immowelt analisou os preços das casas unifamiliares em oito cidades selecionadas e suas áreas circundantes. As maiores poupanças estão na zona de Frankfurt: em vez de 695 mil euros na zona urbana, as casas num raio de 60 minutos de distância custam em média 337 mil euros. Em termos percentuais, a diferença é maior em Hamburgo (49 por cento) e Estugarda (47%). 

Também em Munique, as diferenças de preço são enormes: enquanto as casas unifamiliares da cidade custam 1,19 milhões de euros em média, com uma deslocação de uma hora a mesma casa poerá custar apenas 649 mil euros. Trata-se de uma poupança de 45%, ou pouco mais de meio milhão de euros. Note-se que uma casa em Munique num raio de 60 minutos ainda é mais cara do que uma diretamente em Berlim, Hamburgo ou Colónia. 

Immowelt espera que a crise do Coronavirus e a introdução crescente do trabalho domiciliário aumentem o interesse na chamada “Banda Bacon” (Subúrbios). Abre a possibilidade a muitas famílias de viverem mais longe das cidades. "Isto permitiria que a procura fosse mais distribuída no futuro e os preços se ajustassem melhor." 

A base de dados para o cálculo dos preços de compra construiu-se a partir das ofertas publicadas no portal da Internet. Apenas foram tidas em conta as ofertas cada vez mais procuradas. Os preços mostram a média das casas unifamiliares oferecidas no segundo semestre de 2019 e no primeiro semestre de 2020, bem como no mesmo período do ano anterior. 

Fonte: Artigo de 26-8-20 no Handelsblatt 

Imagem: Holger Kraft por Pixabay 

Galeria