Login

Investidores continuarão a ter como objetivo o sector imobiliário no cenário pós Covid-19

Investidores continuarão a ter como objetivo o sector imobiliário no cenário pós Covid-19

A consultora Savills prevê que as tendências dos investidores imobiliários se prolonguem no cenário pós Covid-19 e refere que os compradores continuarão a contornar os riscos através da diversificação e dos preços. 

Savills analisou as principais tendências estabelecidas para determinar a futura atividade global de investimento imobiliário numa série de artigos e entrevistas lançados no dia 18 de maio 2020 no âmbito do programa de investigação Impacts. A Savills internacional estudou os vários aspetos críticos em termos sociais, ambientais, demográficos e tecnológicos que o sector imobiliário global enfrenta de um modo mais imediato.   

As conclusões foram: 

  • Os conflitos comerciais entre os EUA e a China vão influenciar asatividades transfronteiriças por muitos anos, independentemente da liderança dos EUA, fortalecendo assim as oportunidades de investimento imobiliário em mercados como a Índia, o Vietname e a Europa continental. 
  • Segundo aSavills, o sector global de ciências da vida recebeu 2,5 biliões de dólares em investimentos nos cinco anos até 2019; este sector deve crescer na sequência da Covid-19, com potenciais oportunidades em novos mercados, como a Índia, Espanha, Austrália e Áustria. 
  • As baixas taxas de juros a longo prazo vão garantir que o sector imobiliário continue a ser procurado como uma classe deativos, com uma discrepância entre as reservas de capital e a baixa disponibilidade de stock de alta qualidade, mantendo a concorrência alta e rendimentos baixos. 

Segundo a Savills, embora este ano o atual conflito comercial entre os EUA e a China seja ofuscado pelo impacto da pandemia de Covid-19, já acelerou as mudanças nos padrões comerciais globais. À medida que a produção chinesa se deslocalizou, libertando grandes extensões de terra para uso comercial e residencial na periferia das grandes cidades, outros países saíram beneficiados. Entre eles está o Vietname, onde as exportações de produtos para os EUA aumentaram quase 36% em 2019, tornando-o o parceiro comercial dos EUA de mais rápido crescimento no ano passado, assim como a Índia, a Malásia, a Tailândia e a Coreia do Sul, de acordo com a consultora. Os arrendamentos industriais nos distritos da cidade de Ho Chi Minh, por exemplo, aumentaram 54% até junho de 2019, tornando-se um importante mercado de produção. A Índia também assistiu a um aumento na ocupação de indústria ligeira, principalmente no sector automóvel, com a Blackstone e Brookfield entre vários investidores que já investiram grandes quantidades de capital no seu mercado imobiliário. Além da Ásia-Pacífico, a Savills refere que outros países, principalmente a Áustria, Bélgica, França e Holanda, também aumentaram a sua proporção de comércio no ano passado, sinalizando possíveis oportunidades de fortalecimento para investidores imobiliários nesses locais em determinados sectores. 

A longo prazo, as dificuldades comerciais com os EUA podem acelerar a formação de um bloco regional de comércio livre; uma Parceria Económica Regional Abrangente composta por 16 países do Indo-Pacífico, incluindo a China, a Austrália, o Japão, a Indonésia e a Coreia do Sul, que pode muito bem ser assinada este ano, criando assim a maior área de comércio livre do mundo. A Savills considera que isso aumentará a riqueza e a estabilidade, elementos cruciais para os investidores imobiliários. 

Sector imobiliário associado ao sector de ciências da vida será uma das metas de crescimento mais rápido para investimentos 

Separadamente no Impacts, a Savills destaca que o sector imobiliário associado ao sector de ciências da vida será uma das metas de crescimento mais rápido para investimentos, já que as empresas do sector parecem prontas para acelerar o crescimento e tornar-se predominantes em mais geografias. A Savills refere que, embora os 2,5 biliões de dólares em investimentos em capital de risco (um dos principais factores de crescimento futuro dos negócios em ciências biológicas e, portanto, significando uma maior procura por imóveis) tenham sido focados nos EUA e na China nos últimos cinco anos, os países que tiveram um crescimento particularmente forte em 2019 incluem a Índia (+ 180% aa), Espanha (+ 83% aa), Austrália (+ 79% aa) e Áustria (+ 453% aa *). Estes países podem não estar no radar dos investidores imobiliários ainda para o sector das ciências da vida, segundo a Savills, mas podem potencialmente oferecer a oportunidade de construir um portefólio de investimentos em torno de clusters de inovação, incluindo uma diversidade de ativos imobiliários, desde incubadoras de startups, instalações de research e desenvolvimento e até a edifícios de escritórios.  

Simon Hope, Global Capital Markets Director da Savills, comenta: "O impacto da pandemia do Covid-19 nas estratégias dos investidores é muito menor do que o papel que está a desempenhar na aceleração de algumas tendências estruturais subjacentes que se têm vindo a desenvolver há anos. Isto inclui a crescente procura de e-commerce, a fragilidade das redes de distribuição global - afetadas hoje pelo encerramento de fábricas, mas cada vez mais pelas alterações climáticas - e o fortalecimento de um novo e importante bloco comercial na Ásia e na Australásia. Os investidores imobiliários precisam de continuar a adaptar-se a essa incerteza. A seleção cuidadosa de ativos, a diversificação e a precificação correta do risco a longo prazo caracterizarão aqueles que obtiverem sucesso. As potenciais oportunidades destacadas pelo Impacts em novas geografias, como a Índia, Vietname, cidades europeias inovadoras e sectores em rápido crescimento, como as ciências da vida, são apenas algumas das potenciais jogadas que podem encaixar nesse perfil”. 

Já Paul TostevinSavills World Research Director e co-líder do programa Impacts, acrescenta: “Em tempos de adversidade, o sector imobiliário é percebido como um porto seguro. Com as taxas de juros em níveis mínimos, ainda resta muito capital a ser alocado, principalmente de investidores institucionais que precisam de procurar no exterior para cumprir as suas alocações. As mudanças estruturais identificadas pelo Impacts trazem oportunidades: capitalizar com a disrupção do e-commerce através do redireccionamento do retalho, oportunidades de avanços científicos e economia do conhecimento através de um sector de ciências da vida em rápido crescimento, e até oportunidades no âmbito de alterações geopolíticas através de alterações geográficas decorrentes da guerra comercial dos EUA / China. Estes são os pontos críticos anteriores ao Covid-19, mas a recente pandemia significa que algumas dessas mudanças no sector imobiliário podem agora ter um impulso extra por trás delas.” 

FONTE: https://www.savills.com/insight-and-opinion/savills-news/300152/savills-impacts-forecasts-real-estate-investor-trends-likely-to-outlast-covid-19 

Imagem: PublicDomainPictures por Pixabay  

Galeria